Você deve se perguntar:
Pagar o dízimo é obrigatório para os cristãos?
O dízimo é da lei, os cristãos são obrigados a observarem a lei?
A não realização da obra da lei pode impedir a salvação que é pela Graça?
A citação de Malaquias 3:10 traz condenação para os cristãos que não pagam o dízimo?
Quem não paga está condenado, já que está roubando?

DÍZIMO

A palavra “Dízimo” significa a décima parte de algo. Dar o dízimo era um conceito do Velho Testamento. O dízimo era exigido pela lei Mosaica (As Leis eram as ordens\regras\mandamentos que Deus deu para Moisés e para o povo de Israel no Monte Sinai, durante a travessia no deserto), “O Senhor deu esses mandamentos a Moisés, no Monte Sinai, para o povo de Israel.” (Lv: 27:34). E uma dessas Leis era que todos os israelitas deveriam dar 10% de todo o fruto de seu trabalho e de tudo o que criassem. “Todos os dízimos dos produtos da terra são do Senhor, quer dos cereais, quer das frutas; essa parte é Santa ao Senhor.” (Lv: 27:30).

Os dízimos registrados na Bíblia, sempre foram produtos do campo como:
Cereais, ervas, e poderia ser também animais, porém NUNCA foi dinheiro!

É preciso saber que estas leis eram temporárias, ela serviu de aio\tutor (Guia) aos homens, até a vinda do Salvador. “Assim as leis judaicas eram nosso mestre e guia (tutor) até que Cristo viesse para nos dar uma posição correta perante Deus (Fôssemos Justificados) por meio da nossa fé. Mas agora que já veio a fé, não precisamos mais daquelas leis para tomar conta de nós (Não estamos mais sob o controle do tutor).” (Gl 3:24, 25)

A primeira vez que se fala de dízimo na Bíblia está registrada no livro de Gênesis: “(…) Então Abrão deu a Melquisede (Rei de Salém), o dízimo de tudo o que tinha.” (Gn 14:20) – A atitude de o ainda chamado de Abrão e não Abraão foi VOLUNTÁRIA, ele agiu desta forma antes mesmo da existência da Lei Mosaica (Pois nesta época o povo de Israel ainda não existia!).

O Dízimo de Abraão nada tem a ver com o dízimo da Lei!

E o mais interessante é que Abraão nunca mais deu o dízimo, nunca tirou dízimos de seus bens, nem tampouco ficou rico e próspero porque dava dízimos, Deus o abençoou e o fez rico, independente dele dar dizimo! A mesma atitude voluntária veio através de Jacó (Futuro Israel, nesta época ele ainda era Jacó), ele era neto de Abraão, e teve um sonho e se Deus o protegesse, ele daria décima parte de tudo que Deus lhe desse “(…) E, certamente, devolverei a décima parte de tudo que me der.” (Gn 28:22)

Jacó deu o dízimo também de forma VOLUNTÁRIA, não foi obrigado por ninguém, e Deus não pediu isso a ele, foi um voto e se ele fez por livre e espontânea vontade, então ele deveria cumprir o seu voto. É importante notar que essa determinação tanto de Abraão quanto de Jacó de dar o dízimo, foi uma decisão muito pessoal deles, que não a encontramos em Isaque, filho de Abraão e pai de Jacó, nem em nenhum dos doze filhos de Jacó, pois foi algo que surgiu deles. Como poderia acontecer com qualquer um de nós, de tomar uma atitude de doar para a Obra de Deus, se alguém se compromete em doar algum bem material para a obra de Deus, não é por isso que todos os cristãos serão obrigados a agir da mesma forma, quando na realidade Deus tocou aquele irmão em particular, não deixando mandamento para que todos façam da mesma forma.

O dízimo naquela época era destinado à tribo de Levi (Levi foi um dos filhos de Jacó), na Lei só quem estava autorizado a receber os dízimos eram os levitas, somente eles podiam servir ao Senhor no tabernáculo, pois só eles podiam ser sacerdotes, eles foram constituídos para esta função, pois eles dentre as tribos de Israel foram os únicos que não herdarão terras e nem trabalhavam, então eles foram separados pelo Senhor para cuidar de tudo que era relacionado á Deus. A finalidade destes dízimos era ajudar além dos Levitas, as viúvas, os orfãos e os estrangeiros (Eles repartiam com os estrangeiros, já que Israel no passado também foi estrangeira, significando assim amor ao próximo). “Todo terceiro ano é ano de dízimos especiais. Nesse ano, vocês devem dar todos os dízimos das colheitas ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva, para que comam nas suas cidades até ficarem satisfeitos. (Dt 26:12). O dízimo era dado anualmente e não mensalmente, 10% eram destinados aos necessitados “De três em três anos, ajuntem a décima parte das colheitas daquele ano e recolham na cidade onde moram. Isso é para os levitas, que não receberam herança como as outras tribos, e para os estrangeiros, os órfãos e as viúvas que vivem na sua cidade. Assim eles poderão comer com fartura e saciar-se…” (Dt 14:28,29)

O apóstolo João também falou sobre esse assunto: “Mas, se alguém que se considera seguidor de Cristo possuir o suficiente para viver bem e, vendo um irmão em necessidade, não o ajudar, como é que o amor de Deus pode estar nele?” (1 Jo 3:17). Infelizmente vemos está atitude de forma contrária em muitos dos sistemas religiosos de hoje, onde devoram as casas das viúvas quando pedem para elas o dízimo sendo que na verdade o dízimo deveria ajudá-las e em muitos casos até sustentá-las! “Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês parecem santos, com todas as suas longas orações públicas nas ruas, enquanto exploram as viúvas nas casas delas…” (Mt 23:14)

Trocaram a ordem de beneficiamento do dízimo! Quando você ajuda um necessitado você está dando á Deus! “Porque eu tive fome, e vocês me deram de comer; eu tive sede, e vocês me deram de beber; eu era um estranho, e vocês me convidaram para suas casas, eu estive nu, e vocês me vestiram; eu estive doente, e vocês cuidaram de mim, estive na prisão, e vocês me visitaram’. “Então os justos responderão: ‘Senhor, quando foi que nós vimos o Senhor com fome, e lhe demos de comer? Ou com sede, e lhe demos alguma coisa para beber? Ou como estranho, e o socorremos? Ou nu, e o vestimos? Quando foi que vimos o Senhor doente, ou na prisão, e o visitamos? “E o Rei lhes dirá: ‘Digo a verdade a vocês: Quando vocês fizeram isso ao menor destes meus irmãos, estavam fazendo a mim!’ (Mt 25:35,40). O apóstolo Tiago também fala sobre esse mesmo tema: “Se vocês tiverem um irmão ou irmã que está necessitado de alimento e vestuário, e vocês disserem: “Bem, que Deus o abençoe; aqueça-se e coma bem”, e depois não lhe derem roupas ou alimentos, de que adianta isso?” (Ti 2: 15,16). Nós devemos sim atender a viúva o órfão e o necessitado, não é esperar que somente o líder\pastor tenha esta responsabilidade dando para ele dar, é você, isso é pessoal é de cada um, é um hábito que todos devem ter!

OFERTA

O valor da oferta é destinado para ajudar os pobres\necessitados, com alimentação, roupas, medicamentos, tratamentos médicos, em fim! “Sim, Deus lhes dará muito, a fim de que vocês possam dar com generosidade, e quando nós levarmos suas ofertas àqueles que as necessitam, a sua generosidade resulte em gratidão e louvor a Deus pela ajuda de vocês. Assim, duas coisas boas acontecem como resultado das ofertas de vocês, os necessitados do povo de Deus são ajudados e eles transbordarão de gratidão a Deus. Com o serviço que vocês estão prestando, mostram a eles como vocês são dedicados ao evangelho de Cristo. Eles ficarão satisfeitos e louvarão a Deus pelas generosas ofertas para eles e para outros. E eles orarão por vocês com profundo fervor e amor, por causa da maravilhosa graça de Deus manisfestada por meio de vocês.” (2 Co 9:11,14)

Quer agradar a Deus desprenda-se do materialismo, reparta com os necessitados, e busque o galardão (Prêmio) celeste, não ame esse mundo, nem as coisas que nele há, se ofertar, faça-o por amor a obra, não por lei (Dízimos). Ajudar ao próximo com amor e caridade é uma forma de dízimo, pois Deus é amor. Ajudar com o sustento de alguém que precisa comer, vestir… Isto é o verdadeiro dízimo! “A religião que Deus, o nosso Pai, aceita como pura e sem falhas é aquela que cuida dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades, e que permanece fiel ao Senhor, sem se contaminar com o mundo.” (Tg 1:27)

De qualquer modo, para que a igreja se mantenha (despesas), são necessários recursos! Veja bem: Em relação á Casa de oração que você congrega, ela não foi feita por Deus, mas sim por mãos de homens, então é importante SIM que você contribua e tenha consciência que a casa onde você congrega é SUA também e sendo sua ajude a mantê-la. Nesta tem despesas com (água, luz, material de higiene, em alguns casos aluguel, etc), só não se sinta obrigado a dizimar (10%). Devemos contribuir, mas de acordo com o que cada um pode! Cada cristão deve cuidadosamente orar e buscar a sabedoria vinda de Deus em relação a sua participação com o quanto deve dar, isso significa dar 1%, 15%, 80% ou 100%, VAI DO SEU CORAÇÃO! “Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria” (2 Co 9:7)

Não há um só versículo no Novo Testamento, que registre a obrigatoriedade do cristão dizimar!

Por outro lado, se o cristão deixar de contribuir, por que descobre que não é obrigado, está agindo de má fé para com Deus, como fez Ananias e Safira, ele deve contribuir sim e feliz porque sabe que pode fazê-lo por amor a Deus e não por imposição de homens, e segundo o que propuser em seu coração. Ananias e Safira foram condenados por não dar o dízimo? NÃO! A igreja primitiva em Jerusalém se mostrou generosa e na época encontrava-se no meio da igreja certo número de irmãos necessitados. E para suprir as necessidades destes, os irmãos fizeram grandes sacrifícios e ofereceram seu próprio dinheiro. Alguns, como Barnabé, venderam propriedades e doaram o dinheiro recebido “José, um levita de Chipre, a quem os apóstolos deram o nome de Barnabé, que significa “encorajador”, vendeu um campo que possuía e trouxe o dinheiro aos pés dos apóstolos.” (Atos 4:36,37)

Seguindo a mesma atitude o casal Ananias e Safira, também venderam uma propriedade para fazer uma contribuição à igreja. Mas no dia em que levaram sua oferta aos apóstolos, foram condenados e caíram mortos! Hoje, alguns líderes religiosos citam esse caso para exigir o dízimo, sugerindo que Ananias e sua mulher foram castigados por não dar o dízimo. Foi esse o motivo da morte deles? NÃO! Devemos primeiro ler o texto para entender o pecado desse casal. Estes versículos nem mencionam o dízimo!

“Havia um homem chamado Ananias, com sua esposa Safira, que vendeu uma propriedade, reteve uma parte e levou o restante do dinheiro aos pés dos apóstolos, afirmando que era o preço total; a esposa dele tinha concordado com essa MENTIRA. Mas Pedro perguntou: “Ananias, Satanás encheu o seu coração. Por que você permitiu isso? Quando você afirmou que este era o preço total, estava mentindo ao Espírito Santo. A propriedade era sua para vender ou não, como quisesse. E depois de vendê-la, VOCÊ PODIA DECIDIR QUANTO IA DAR. O que o levou a pensar em fazer tal coisa? Você não estava mentindo somente a nós, mas também a Deus”. Logo que Ananias ouviu estas palavras, caiu morto! Todos os que ouviram o que tinha acontecido ficaram com medo. Então os jovens cobriram o morto com um lençol, levaram-no para fora e o sepultaram. Cerca de três horas depois entrou a esposa dele, sem saber o que tinha acontecido. Pedro perguntou-lhe: “Diga-me, vocês venderam aquela terra por este preço?” “Sim”, respondeu ela, “vendemos”. Então Pedro disse: “Como é que você e seu marido puderam até mesmo pensar em fazer uma coisa dessa, conspirar contra o Espírito do Senhor? Veja! Do lado de fora daquela porta estão os jovens que sepultaram o seu marido. Eles vão levar você também”. Imediatamente ela caiu morta no chão; os jovens entraram e, ao ver que Safira havia morrido, carregaram o corpo para fora e o sepultaram ao lado do marido…” (Atos 5:1-11)

Deus não exigiu o dízimo dos cristãos, o real motivo de sua ira contra Ananias e Safira, foi justamente porque eles mentiram ao Senhor! Eles venderam um terreno e afirmaram que ofertaram o valor total da venda para ajudar os irmãos pobres. Eles queriam parecer pessoas generosas, mas, ao mesmo tempo, queriam ficar com uma parte do dinheiro. Decidiram mentir, dizendo que sua oferta foi o valor integral da venda do terreno. Deus não havia obrigado ninguém a vender terras ou dar o valor total de suas propriedades. Pedro reconheceu o direito de Ananias e Safira de ficar com o seu terreno, dizendo que era um direito de escolha deles vender ou não o terreno e de doar o quanto quisesse, mas eles prometeram tudo ao Senhor e na hora “H”, tentaram burlar a situação e ficar com uma parte do dinheiro para eles. Ananias e Safira queriam o “crédito” por uma doação generosa, sem o sacrifício de perder todo o valor do terreno. Eles mentiram ao Espírito Santo de Deus! O Novo Testamento, a aliança que governa os homens nos dias atuais, não exige que todos doem 100% de suas posses, e nem estipula 10% (o dízimo) como obrigatório!

No Novo Testamento, fala em quase ele todo sobre oferta, em nenhum lugar ordena e nem mesmo recomenda que os cristãos se submetam a um sistema OBRIGATÓRIO de dizimar. “(…) Eu quero que ela seja verdadeiramente uma OFERTA generosa, e NÃO que pareça que foi dada por obrigação.” (2 Co 9:5). Os cristãos não devem se sentir obrigados a se prender sempre à quantia de 10%. Devem sim dar de acordo com o que Deus colocar em seu coração. No novo testamento Paulo fez COLETAS, ele ensina a dar com GENEROSIDADE ele diz DÁ AQUILO QUE PROPÔS em seu CORAÇÃO!

Jesus mencionou a viúva que deu sua contribuição para casa do Senhor, já os escribas deram 10%, mais a viúva deu tudo que tinha. Deus não cobra os 10% mais sim o coração! Podemos dar até tudo o que temos, por amor, ao Senhor e isto alegra o coração de Deus. Como alegrou o coração de Jesus ao observar a viúva pobre que deu tudo o que tinha. “Quando Jesus estava no templo, observava os ricos colocarem suas ofertas na caixa de ofertas. Então uma viúva pobre deu somente duas moedinhas de cobre. Diante disso, Jesus disse: “Eu afirmo a vocês, esta viúva pobre deu mais do que todos os outros. Pois eles deram um pouco do que lhes sobrava, porém ela, na sua pobreza, deu tudo o que tinha para viver.” (Lc 21:4)

Jesus se referiu ao dízimo também na parábola do fariseu e do publicano e outra vez censurou os hipócritas e religiosos. Tomou como exemplo um homem religioso, que jejuava duas vezes por semana e dizia ser dizimista fiel, porém, exaltava a si mesmo e humilhava um pecador que suplicava a misericórdia do Senhor. Novamente Jesus não ensinava a dar o dízimo, mas criticava tais pessoas por serem RELIGIOSAS e VAZIAS! “Em pé, o fariseu orava assim: ‘Eu lhe agradeço, ó Deus, porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; especialmente como aquele cobrador de impostos ali. Jejuo duas vezes por semana e dou a Deus o dízimo de tudo quanto ganho’. Mas o cobrador de impostos ficou em pé de longe e não tinha coragem nem de levantar os olhos ao céu quando orava, porém batia no peito e exclamava: Ó Deus, tenha misericórdia de mim, um pecador!’ “Eu lhes digo que este, e não o fariseu, voltou para casa perdoado…!” (Lc 18:12,14). Os fariseus usavam o dízimo como meio de adquirir a misericórdia de Deus.

Chega de Estelionato Psicológico!

Chega de Vender o Evangelho!

Algo que muitos pregadores ensinam totalmente errado é incentivar pessoas a dar dinheiro, pois somente assim demonstram serem pessoas de fé. Existe uma situação do meu conhecimento, onde uma pessoa próxima que frequentava certa denominação, durante o culto foi dito assim “A mulher que colocar agora no lugar X o valor XX, está é considerada uma mulher de fé (???), bom esta conhecida foi correndo colocar o $$, infelizmente não teve sabedoria! A Palavra de Deus diz assim: “Mas Pedro respondeu: “Que o seu dinheiro morra com você, por pensar que o dom de Deus pode ser comprado com dinheiro!” (At 8:20). A fé é um Dom e não se compra! “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus”. (Ef 2:8)

Segundo a LEI apenas os LEVITAS poderiam recolher o dízimo, os lideres religiosos de hoje que recolhem o dízimo, não são da tribo de Levi, não são Judeus e não fazem parte da Lei de Moisés. “Todos os dízimos que eu recebo do povo de Israel, dou aos levitas pelo serviço que fazem no tabernáculo (Tabernáculo: É tenda\cabana\barraca, tipo um santuário portátil, com o povo de Israel foi assim por um período). E, de agora em diante, o povo de Israel nunca mais se aproximará do tabernáculo; caso contrário, levarão sobre si seu pecado e morrerão.” (Nm 18:21,22). Vejam que nem o povo de Israel podia se aproximar e fazer tal função, pois acabaria morrendo, caso desobedecessem à ordem. Como Paulo disse, não existe sacerdote na tribo de Jesus “Ora, aquele de quem se dizem estas coisas pertencia à outra tribo. E nenhum membro dessa tribo jamais serviu como sacerdote. Como todos sabemos, o nosso Senhor é descendente da tribo de Judá, que não havia sido escolhida para o sacerdócio; Moisés nunca lhes dera aquele serviço. Portanto, podemos ver claramente que o método divino mudou, pois Cristo, o novo sumo sacerdote que veio da ordem de Melquisedeque, não se tornou sacerdote satisfazendo a antiga exigência de pertencer à tribo de Levi, mas de acordo com o poder que deriva de uma vida que não pode acabar. Porque as Escrituras falam o seguinte a respeito dele: “Você é para sempre sacerdote da ordem de Melquisedeque” (Hb 7: 13, 17). Hoje o sacerdócio foi substituído pelo sacerdócio perfeito e eterno de Jesus Cristo. JESUS É O SUMO SACERDOTE!

Jesus através de seu sacrifício ab-rogou\anulou, o sacerdócio levítico com todas as suas as leis, dízimos e costumes, (ab-rogar, tem o mesmo sentido que, não vim destruir e sim cumprir). Paulo narra na Carta endereçada aos Hebreus. “Se os sacerdotes judaicos e as suas leis fossem capazes de nos salvar, por que então Deus precisou mandar Cristo como sacerdote da mesma ordem de Melquisedeque, em vez de mandar alguém da ordem de Arão, a ordem à qual pertenciam todos os outros sacerdotes? E quando se muda o sacerdócio, a Lei também muda”. (Hb 7:11,12). “Assim, o antigo sistema de sacerdócio baseado no parentesco foi cancelado, porque era fraco e inútil para salvar o povo.” (Hb 7:18). “Deus fez um juramento de que Cristo seria sempre sacerdote…” (Hb 7:20). Cristo é sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque! A expressão “segundo a ordem de Melquisedeque” significa que o sacerdócio de Jesus é do mesmo tipo, ou parecido com, o sacerdócio de Melquisedeque. Melquisedeque aparece na história bíblica, e some logo em seguida, ele era rei de Salém e sacerdote de Deus: “Melquisedeque, rei de Salém (Isto é, Jerusalém) e sacerdote de Deus Altíssimo, ofereceu-lhe pão e vinho.” (Gn 14:18). Melquisedeque abençoou Abraão e recebeu o dízimo dele depois da vitória de Abraão na guerra. As Escrituras não relatam nada sobre antepassados nem descendentes de Melquisedeque. Ele servia como sacerdote antes do nascimento de Isaque, então não era descendente da tribo de Levi (Levi era um dos netos de Isaque)

Lembrem-se do que Paulo disse, AQUELE QUE SE COLOCA DEBAIXO DA LEI SE FAZ MALDITO! “Já aqueles que confiam que as leis judaicas podem salvá-los estão debaixo da maldição, pois as Escrituras dizem: “Maldito todo aquele que, em qualquer tempo, quebrar uma só das leis que estão escritas no Livro da Lei”. Por conseguinte, é claro que ninguém jamais pode ser justificado (Ganhar favor Divino) pela tentativa de guardar as leis judaicas, porque Deus mesmo disse que “o justo viverá pela fé”. (Gl 3:10,11). O caminho da fé é diferente do caminho da lei e todos aqueles que estão debaixo da lei estão debaixo de maldição. Paulo disse isso porque o homem não é capaz de cumpri-la em seu todo, e Jesus teve que cumpri-la por nós. Para ser dizimista deve-se então guardar toda a Lei de Moisés, ou seja, fazer\cumprir detalhe por detalhe do que ela ordena, TODA ELA! “Foi assim que Cristo nos libertou. Agora, cuidem de permanecer livres e não fiquem novamente presos pelas cadeias da escravidão. Escutem bem o que eu, Paulo, digo a vocês: Se vocês estão contando com a circuncisão e a guarda das leis judaicas para fazê-los justos diante de Deus, então Cristo não pode salvá-los. E vou repetir: Qualquer um que se deixa circuncidar precisa obedecer TODA A LEI” (Gl 5:1,3). Quem cumpre um mandamento da LEI deve cumprir TODA ELA!

É como a lei do homem…Exemplo: Em 1900 e “bolinhas” eu precisava pagar o imposto da minha casa, pois era uma Lei vigente (atual), eu tinha que pagar porque eu vivia debaixo daquela Lei, mas hoje ano 2050, não preciso mais pagar este determinado imposto, pois ele foi anulado em 2018…Pronto! Porque eu vou continuar cumprindo o que não me é mais obrigatório? Assim é a Graça de Cristo, antes era Lei, agora vivemos na Graça (Favor não merecido). “Agora, entretanto, vocês foram libertos da Lei, porque morreram para aquilo que antes os prendia. Assim, agora vocês são livres para servir a Deus não da maneira antiga, obedecendo á velha forma da Lei escrita, mas da maneira nova, obedecendo ao Espírito de Deus.” (Rm 7:6). Como a Lei era impotente para Salvar, então após o sacrifício de Jesus agora (toda a humanidade) tem direito a Salvação, onde substituiu-se o primeiro pelo segundo! “Depois que Cristo disse isso, a respeito de não ficar satisfeito com os vários sacrifícios e ofertas que o antigo sistema exigia, acrescentou: “Aqui estou, vim para fazer a sua vontade”. Ele CANCELA O PRIMEIRO SISTEMA em favor de OUTRO MUITO MELHOR.” (Hb: 10: 8,9)

Somos livres de atividades Mosaicas! “Cristo é inútil para vocês se estão achando que podem saldar a sua dívida (ser justificados) para com Deus pela guarda daquela Lei; vocês se privaram (tirou) da graça de Deus.” (Gl 5:4). Com a vinda de Jesus o sacerdócio foi mudado, de sacerdócio levita passou a ser o sacerdócio de Jesus cristo. A lei de Cristo é a lei final para humanidade. A Lei terminou com a morte de Cristo. “Porque o fim da lei é Cristo, para que todo que crer nele seja declarado justo (Isto é, seja aceito por Deus)” (Rm 10:4). Permanecer no preceito da lei é o mesmo que negar o sacrifício de Jesus. “Portanto amados, no tempo da graça qualquer esforço para voltar à lei de Moisés que Cristo desfez na cruz, é anular o sacrifício do Cordeiro de Deus e reconstruir a muralha por Ele derrubada. “Agora, porém, vocês pertencem a Cristo Jesus e, ainda que antigamente estivessem muito longe de Deus, agora foram trazidos para muito perto dele por causa daquilo que Jesus Cristo fez por vocês com o seu sangue. Porque o próprio Cristo é a nossa paz. Ele fez a paz entre nós, os judeus, e vocês, os gentios, fazendo de todos nós uma só família, derrubando a muralha de desprezo que nos separava. Ele acabou em seu corpo (na sua carne) com a lei, juntamente com os seus mandamentos na forma de ordenanças….” (Ef 2:13,15). Quem obedece à lei de Moisés não será justificado, pois praticando ela acaba caindo, saindo da graça.

Mas Jesus dava dízimos? “Ao chegarem a Carnafaum, os cobradores de impostos do templo vieram a Pedro e lhe perguntaram: “O mestre de vocês não paga o imposto do templo?” “Claro que paga”, respondeu Pedro. Então ele entrou em casa para falar a Jesus sobre isto, mas antes que ele tivesse oportunidade de falar, Jesus perguntou: “O que você acha, Pedro? Os reis cobram impostos do seu próprio povo ou dos estrangeiros?” “Dos estrangeiros”, respondeu Pedro. Disse-lhe Jesus: “Então os cidadãos não pagam! Contudo, nós não queremos ofender ninguém; portanto, vá ao mar e lance um anzol, e abra a boca do primeiro peixe que pegar. Você vai achar uma moeda de valor suficiente para pagar os impostos por nós dois, pegue a moeda e pague o imposto devido”. (Mt 17: 24,27). Na Bíblia diz que Jesus pagou um imposto\tributo, mas não específica dízimo. Porém Jesus era judeu, e como tal deveria cumprir toda a lei: “Mas, vindo à plenitude dos tempos, Deus enviou seu filho, nascido de mulher, nascido sob a lei…” (Gálatas 4:4). Jesus nasceu sob a Lei e Ele veio para cumpri-la, então ele teve que agir conforme ordenava a Lei Mosaica! Por isso não se passaria nenhum til da Lei, até que toda ela fosse cumprida! “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.” (Mt 5:17,18). Jesus cumpriu toda Lei! JESUS VIVEU TODA SUA VIDA NO VELHO TESTAMENTO, NA ÉPOCA DA LEI, SOB A LEI, ENTÃO ELE DEVERIA CUMPRÍ-LA! – “Porque Moisés nos deu a Lei, enquanto Jesus Cristo nos trouxe a Graça e a verdade.” (Jo 1:17)

Se ainda estivéssemos sob a antiga aliança os homens teriam que se circuncidar, não deveríamos trabalhar aos sábados, não deveríamos comer carne de porco e deveríamos sacrificar animais para perdão dos nossos pecados. Jesus resumiu toda lei em dois mandamentos:

1 – Ame a Deus sobre todas as coisas;

2 – Ame ao próximo como a ti mesmo;

Dízimo não é para igreja, dizimo foi especificamente para a nação de Israel. Jesus nos trouxe um novo mandamento e Ele não ordenou ninguém a pagar dízimo. A ordenança de Jesus foi anunciar as boas novas, e o amor ao próximo!!!

“Casa do Tesouro” não era um templo religioso, era um silo (Silo é um grande depósito destinado ao armazenamento de produtos agrícolas). Esta “casa do tesouro” nada mais era do que um compartimento dentro do templo judaico utilizado para a armazenagem do dízimo que eram os produtos do campo. “E mais uma vez todo o povo de Judá começou a trazer os dízimos de cereais, do vinho novo e do azeite de oliveira para o depósito do templo.” (Ne 13:12). Este depósito era para guardar alimentos para os famintos. Dízimo também NUNCA Foi Dinheiro, ouro, prata ou pedras preciosas, eram alimentos agrícolas e animais. E naquela época já existia dinheiro Sim, eram os ciclos de prata. “Se a pessoa morta pelo boi for escravo ou escrava, o preço do resgate será de 30 moedas de prata (cerca de 360 gramas de prata) pago ao dono do escravo…” (Êx 21:32). Este é apenas um versículo, mas tem vários que falam de ciclos! O ciclo de prata era uma peça redonda (por isso o nome “ciclo”) ou barra de metal valioso (prata e ouro) que servia pra pagar as pessoas e fazer negócio. Então se já existia uma forma de dinheiro no começo da história da humanidade, porque Deus não pedia dízimo do dinheiro?

Deus em Deuteronômio ensina para o povo vender o dízimo (animais e fruto da terra) e depois pegar o dinheiro e comprar tudo o que a alma da pessoa desejar: vacas, ovelhas, vinho ou qualquer coisa que a alma da pessoa desejar para se alegrarem. “Então vocês poderão vender uma parte das colheitas correspondentes ao dízimo e levar o dinheiro ao local que o Senhor, o seu Deus, tiver escolhido. Chegando lá, usem esse dinheiro para comprar o que a sua alma desejar: vacas ou bois, ovelhas, vinho ou outra bebida fermentada, ou qualquer outra coisa que desejarem. Então comam festivamente ali, na presença do Senhor, o seu Deus, e alegrem-se, você e sua família.” (Dt 14:26). Se dízimo fosse para dar em dinheiro Deus mandaria o povo vender os animais e os frutos da terra e trazer o dinheiro para os Levitas, coisa que nunca aconteceu! Deus nunca pediu para o povo dar dinheiro no tabernáculo para depois os levitas comprarem mantimentos! Nunca houve uma forma como essa de se praticar o dízimo. Em todo o novo testamento os apóstolos nunca ensinaram ou praticaram o dízimo. E por quê? Porque eles sabiam que o dízimo, juntamente com todas as leis de Moisés, não tinham mais funcionalidade e praticavam outra coisa que resolvia todos os problemas da comunidade da época: AS OFERTAS!

Atualmente não podemos nos basear exatamente nos princípios da Lei de Moisés, pois nessa época Israel vivia em um ESTADO TEOCRÁTICO (Teocracia é o sistema de governo em que as ações políticas, jurídicas e policiais são submetidas às normas de alguma religião, onde o Líder do Estado\País é ao mesmo tempo um o líder religioso), e em Israel as leis eram baseadas na religião. É impossível transferir os mesmos costumes e regras de um estado teocrático para um Estado Laico como no Brasil (Estado laico é o País que não segue uma religião oficial, um lugar em que as Leis da igreja não mandam nas leis do governo. Um exemplo é o Brasil – Bom teoricamente é assim, mais na prática é outra história, explico em outro tema!). Então nesse estado teocrático quem resolvia todos os problemas era a igreja, neste caso a Lei Mosaica. Hoje os líderes pedem o dízimo do bruto do seu salário…Nossa além do salário do trabalhador ser tributado na fonte, tem ainda imposto de renda e muitos outros impostos, o que deixa a renda da pessoa muito inferior ao lucro bruto e ainda tirando-se 10% a pessoa fica com um salário insuficiente. Seria justo Deus permitir isso se Ele é o Deus da justiça? “Nessa época, vou levar o meu castigo: Serei rápido para testemunhar contra os feiticeiros, os adúlteros, os mentirosos, os que roubam o salário de seus empregados, os que exploram as viúvas e os órfãos, os que privam os estrangeiros dos seus direitos, enfim todos os que não me respeitam”, declara o Senhor dos Exércitos.” (Ml 3:5)

“Esses mestres, em sua ganância, dirão qualquer coisa para se apossarem do dinheiro de vocês. Mas Deus já os condenou há muito tempo, e a destruição deles está a caminho.” (2 Pe: 2:3). Eles mantêm o que convém, o que dá lucro. Fica absolutamente evidente o tipo de ministros que são, são ministros do dinheiro, comerciantes, empresários…”Sua crença na verdade que lhes foi ensinada deve ser forte e firme, a fim de que possam ensiná-la aos outros e mostrar aos que discordam deles onde é que estão errados. Pois há muitos que se recusam a obedecer. Isto é verdade especialmente entre aqueles que dizem que todos os fiéis devem ser circuncidados (obedecer às leis judaicas). Eles não passam de faladores e enganadores. E é preciso fazê-los calar. Famílias inteiras já foram desviadas da graça de Deus. Esses mestres estão apenas atrás do dinheiro de vocês.” (Tito 1: 9,10)

A pregação mais usada para a cobrança do dízimo está no Velho Testamento, é lida em Malaquias: “Tragam todos os dízimos aos depósitos do templo, para haver alimento suficiente em minha casa. “Ponham-me á prova”, diz o Senhor dos Exércitos, “e eu abrirei as janelas do céu e derramarei uma benção tão grande que não terão lugar onde guardá-la.” (Ml 3:10). Mas quem prega não explica que no contexto de Malaquias, Deus estava era advertindo os sacerdotes que estavam roubando de Deus, Deus não estava advertindo o povo e sim os SACERDOTES. “(…) Vocês não dão a mínima importância às leis que eu dei para vocês obedecerem. Animais roubados, aleijados e doentes como ofertas a Deus! Será que posso aceitar ofertas dessa espécie?”, pergunta o Senhor.” (Ml 3:13)

Pense comigo: A passagem de Malaquias 3:10 promete: “…se eu não vos abrir as janelas do céu e derramar bênçãos sem medida.” Se, Jesus Cristo diz que basta pedir tudo, isso mesmo, “tudo”, ao Pai em seu nome que crendo receberemos, porque devemos dar o dízimo para que seja derramada bênçãos sem medida na nossa vida? Não há lógica nisso! Se dermos o dízimo para ser abençoado logo descremos na promessa de Jesus descrita no evangelho de João. Jesus diz: “Vocês podem pedir a ele qualquer coisa em meu nome, e eu o farei, e assim o Pai será glorificado por meio do filho. Sim, peçam qualquer coisa em meu nome, e eu o farei!” (João 14:13,14). Como vemos, um invalida o outro! O Senhor Jesus é tudo na nossa vida, vivemos por Ele, dependemos Dele para tudo e tudo deve passar por Ele e deve vir por Ele. Não existe ritual ou sacrifício que possa fazer o que Jesus Cristo faz! Jesus é perfeito, eficaz, eterno e insubstituível! Em João o Senhor fala mais: “Mas, se vocês permanecerem em mim e obedecerem ás minhas ordens, podem fazer o pedido que quiserem, e isso será concedido!” (João 15:7)

Outro ponto muito citado é em Mateus “Ai de vocês, fariseus e mestres da lei, hipócritas! Vocês dão o dízimo até da folha de hortelã, da erva-doce e do cominho, mas se esquecem das coisas importantes, a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Sim vocês devem dar o dízimo, mas não devem deixar de fazer as coisas mais importantes.” (Mt 23:23). Agora avaliemos o versículo: “Ai de vocês, fariseus e mestres da lei, hipócritas!” Ai de vocês, Quem? Judeus ou Cristãos? Esses dois homens são Judeus e NÃO CRISTÃOS! Eles estavam sob a Lei de Moisés, ainda não estavam na Graça, e segundo a LEI, eles precisavam obedece-la até que viesse a promessa, o MESSIAS para CUMPRIR A PROFECIA em si mesmo, ou seja, até a morte de Jesus!

Exemplo: O que é um testamento da forma como conhecemos hoje? É um documento que uma pessoa faz (em vida) deixando seus bens a herdeiros. Mas quando esse documento começa a ser válido e os herdeiros passam receber os benefícios dele? Só quando o testador MORRE! Jesus quando citou o dízimo para exortar os fariseus e os escribas, ainda estava VIVO! (Pois Eh!). “O testamento só começa a ter efeito depois da morte da pessoa que o escreveu. Enquanto ela ainda estiver viva, ninguém pode utilizá-lo para obter nenhuma daquelas coisas que ela lhe prometeu.” (Hb 9:17). Para a lei ser cumprida e a graça nos alcançar, Jesus precisava morrer e ressuscitar.

Vamos entender outro ponto: O fato de Jesus ter falado sobre o dízimo nessa passagem não quer dizer que ele ensinou, aconselhou a dá-lo, aprovou-o, ou falou qualquer coisa para praticá-lo na época da Graça. Ele apenas citou o dízimo para exemplificar um erro grave que tais pessoas cometiam naquela época (e que hoje ainda cometem) que era praticar uma ordenança e deixar de lado coisas mais importantes como a justiça, a misericórdia, a fé e o amor. Mas uma vez a religiosidade vazia. Esta foi uma repreensão e não um ensino para dar o dízimo. Jesus quis dizer que embora fossem religiosos e praticavam coisas da lei como o dízimo, deixavam de lado o mais importante: a justiça, a misericórdia e a fé.

Paulo em sua carta aos Hebreus também diz: “Vejam então como este Melquisedeque é importante: Até mesmo Abraão, o primeiro e o mais respeitado de todo o povo escolhido de Deus, deu a Melquisedeque a décima parte dos despojos que ele tomou dos reis com quem estivera lutando.” (Hb 7:4). Paulo não estava ensinando nem falando sobre o dízimo, e sim falando sobre Melquisedeque e como ele era grande.

Como os sacerdotes, não estavam agradando a Deus com suas atitudes, estes foram avisados e amaldiçoados por Deus, no ministério do profeta Malaquias. E foram advertidos que se não mudassem de comportamento Deus tornaria as suas bênçãos em maldição. “Sacerdotes, ouçam esta advertência: “Se vocês não mudarem seu modo de viver e não derem glória ao meu nome”, diz o Senhor dos Exércitos, “ao invés de lhes dar bênçãos, como eu gostaria de fazer, vou lançar maldições sobre vocês. E até vou transformar as suas bênçãos em maldições. Na verdade, eu já os amaldiçoei, porque vocês não levaram a sério as coisas que me honram de coração. (Ml 2:1,2). Quem na verdade roubava a Deus eram os sacerdotes (Levitas) e não o povo, porque o dízimo estava sim, sendo levado ao Senhor, mas quando chegavam ao templo os sacerdotes separavam para eles o melhor e deixava o que eles consideravam como RESTO para os sacrifícios. Os sacerdotes tinham o melhor para oferecer, porém não ofereceram.

Observem que Deus não estava se referindo ao fato dos sacerdotes NÃO darem os dízimos, Deus se referia ao fato deles darem o PIOR para Ele. Os sacerdotes cumpriam o que a Lei ordenava, mas faziam com desleixo, desrespeitando a Deus. “O filho respeita seu pai; o escravo (servo) respeita seu senhor. Sacerdotes, se eu sou o pai de vocês, por que não me respeitam? Se eu sou o Senhor, por que não me temem?”, pergunta o Senhor dos Exércitos. “Vocês desprezam o meu nome!”. “Quem? Nós?”, vocês perguntam. “De que maneira desprezamos o seu nome?” “Ao oferecerem sacrifícios impuros sobre o meu altar.” E vocês ainda perguntam: “Sacrifícios impuros? Quando fizemos uma coisa dessas?” “Sempre que dizem: ‘Não é necessário trazer as melhores ofertas para entregar ao Senhor'”. (Ml 1: 6,7). Lembrem-se eles estavam oferecendo animais roubados, aleijados e doentes como ofertas a Deus!

Tornou-se comum ouvir pregações dizendo que “se o cristão não der o dízimo, o devorador vai entrar em suas vidas e destruir tudo. ENTÃO JESUS NÃO TEM PODER SOBRE O DEVORADOR SEM O DÍZIMO? É o mesmo que dizer que Jesus “sozinho” não consegue abençoar a sua vida financeira, então Jesus precisa da ajuda do dízimo para abençoar a sua vida? Que loucura! Só Jesus basta para nossa vida! É assim que muitos ensinam dentro de suas denominações. O que estes querem dizer é que pra você ter alguma coisa material nessa vida e ter proteção delas contra um demônio chamado “devorador”, você tem que dizimar. O cristão não é obrigado a dar o dízimo, nem por medo do “devorador”, como muitos insistem em falar, (citado em Malaquias 3:11) ou de ser amaldiçoado. Isso é o mesmo que afirmar que JESUS não tem poder ou autoridade suficiente para combater o demônio na sua vida e precisasse da ajuda do ato de dar o dízimo pra isso! Jesus, o todo-poderoso, o Alfa e o Ômega, o dono da Glória, precisa de dinheiro pra fazer isso? Sem o dízimo JESUS CRISTO, FILHO DE DEUS, O DEUS ENCARNADO EM HOMEM, AQUELE QUE VENCEU A MORTE E A TODA SORTE DE DEMÔNIOS, NÃO PODE FAZER NADA PELA SUA VIDA? Mesmo você tendo o aceitado, se arrependido dos pecados, ser conhecedor das Suas Palavras, viver uma vida santa e fiel, amar a Deus sobre todas as coisas? JESUS É O SUFICIENTE EM TUDO! Então, demônio algum poderá tocar em sua vida, saúde, finanças, relacionamentos, etc, tudo está sob a proteção de JESUS CRISTO! “Quando os 70 discípulos voltaram, contaram-lhe alegres: “Senhor, até os demônios nos obedecem, EM SEU NOME.” (Lc 10:17). Notou não é pelo dízimo, o nome de JESUS BASTA!

“Eu lhes dei autoridade sobre as forças do inimigo para pisar sobre serpentes e escorpiões! Nada fará mal a vocês!” (Lc 10:19)

Porque líderes dizem que teremos prejuízos na vida material financeira se não darmos o dízimo se o Próprio Jesus disse que não teríamos dano algum? Jesus não é servo de homem! Ele é DEUS! Não precisa da ajuda de uma prática física (Dinheiro) para nos abençoar! Qual a verdade de um devorador agir na vida de uma pessoa que aceitou JESUS CRISTO? Verdade nenhuma! Pois não há possibilidades de um devorador ou um demônio entrar na vida de uma pessoa, que é escolhido de Jesus, e destruir lhe as finanças. Entre outras palavras Deus não precisa de dinheiro, Ele é DONO do ouro e da prata, e não precisa disso para repreender o devorador e Jesus não precisa de você dar o dinheiro pra expulsar um demônio da sua vida! O inimigo se expulsa falando “EM NOME DE JESUS!”

Mas e o que é “DEVORADOR” que os líderes tanto aterrorizam psicologicamente os fiéis, frisando que só será repreendido da vida da pessoa se a mesma der o dízimo, fazendo o povo ter pavor? Bom, este devorador é só um gafanhoto e não um demônio! “Escutem bem, anciãos! Ouça todo o povo! Já aconteceu alguma coisa assim nos seus dias ou nos dias dos seus antepassados? Contem isso a seus filhos; que eles contêm a seus filhos e que estes falem sobre isso às gerações seguintes. Depois que o gafanhoto cortador deixou de devorar suas plantações, o gafanhoto migrador (peregrino) veio e comeu o que sobrou. Depois dele veio o gafanhoto saltador (devastador) e comeu o que o gafanhoto migrador deixou, e finalmente o gafanhoto devorador comeu o que foi deixado pelo gafanhoto saltador.” (Joel 1.3,4). Nada tem a ver a associação do devorador com o demônio nem benção com prosperidade financeira, (Benção sem medida é chuva para a colheita, maldição era seca!)

Devemos compreender a diferença entre contribuir em LEI e o contribuir em GRAÇA, para não ficarmos debaixo de maldição, e obrigados a guardar toda a lei, se escolhermos seguir um mandamento dela. Então porque o povo acredita que o dízimo é válido? – O povo, na sua grande maioria, é ignorante da Palavra de Deus. “Existe muito mais que eu gostaria de falar nestas linhas, mas vocês parecem não prestar atenção, portanto é difícil fazê-los compreender. Vocês agora já são servos de Cristo há muito tempo e já deviam estar ensinando aos outros, mas em vez disso vocês estão regredindo, a tal ponto que precisam de alguém que lhes ensine tudo de novo, até mesmo as primeiras noções da palavra de Deus. Vocês são como criancinhas que só podem beber leite, sem idade suficiente para alimento sólido. E quando uma pessoa ainda se alimenta de leite, isso demonstra que ela ainda não foi muito longe na vida cristã, e não sabe muito sobre a diferença entre o certo e o errado.” (Hb 5:11,13). Nós, cristãos, devemos ter o cuidado de não ficarmos como passarinho no ninho, obrigados a engolir o que colocam na nossa boca!

É fato que a maior parte das pessoas dá o dízimo por medo das maldições ou por interesses em crescer financeiramente, isso não dá pra negar! “Se vocês, na realidade, estão prontos para dar, então não importa quanto têm para dar. Deus quer que vocês deem aquilo que possuem, não o que não possuem.” (2 Co 8:12). Fazem do dízimo uma obrigação, mas Jesus é liberdade! Segundo a lei do dízimo, todo aquele que não der o dízimo será amaldiçoado, e sabemos que o fim de toda maldição é Jesus Cristo! Jesus diz para buscarmos a Ele em primeiro lugar e todas as demais coisas serão acrescentadas sem cobrança alguma, sem ofertas, sacrifícios ou dízimos. “Coloquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e ele dará a vocês todas essas coisas.” (Mt 6:33). Quem pratica o dízimo se faz maldito, ao contrário do que alguns líderes ensinam, que praticando o dízimo retiramos a maldição de sobre nós!

Se um crente é amaldiçoado por falta de dar o seu dízimo e é ladrão, então como pode estar liberto? Isto nos faz julgar o irmão e afirmar que o sacrifício de Cristo não foi suficiente na sua vida. Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo e Ele já nos abençoou com todas as bênçãos nas regiões celestiais “Portanto, agora já não há nenhuma condenação para aqueles que pertencem a Cristo Jesus” (Rm 8:1). Então, agora por não dar o dízimo serei condenado por um espírito devorador? Se Jesus triunfou sobre os principados e as potestades, como um devorador, suposto demônio, poderia entrar em nossa vida, que está entregue nas mãos de JESUS, e destruí-la só porque não paguei o dízimo? Isso é terror psicológico nos fiéis e fazendo do dízimo uma “taxa de proteção divina!” Não rouba de Deus o cristão que não dá o dízimo, não temos o direito de chamar de ladrão a quem Jesus libertou! Quem Rouba a Deus nos dízimos são os Sacerdotes não os fiéis.

O apóstolo Paulo se refere e admira no povo da Macedônia dizendo: “Eles deram não somente aquilo que podiam dar, mas muito mais do que isso; e posso testemunhar que assim o fizeram de vontade própria.” (2 Co 8:3). Essas palavras do apóstolo Paulo foram proferidas na época da graça, onde se pregava apenas JESUS CRISTO sem Lei de Moisés, sem cerimônias e rituais. E ele pedia OFERTAS para ajudar as pessoas de determinadas regiões onde se encontravam a igreja de CRISTO (IGREJA são as pessoas que aceitavam JESUS). A liberalidade do coração das pessoas, ou seja, elas têm de sentir, querer dar, ofertas por livre e espontânea vontade. E em nenhuma dessas passagens Paulo fala que essas pessoas ao dar pediam alguma coisa ou esperavam alguma coisa como ensinam alguns pregadores de hoje ao dizer que quando as pessoas dão devem já esperar o retorno de sua oferta. Jesus não deixou isso como mandamento, tampouco os apóstolos, não há um versículo sequer no novo testamento que aponte para isso! “Como dizem as Escrituras: “O homem piedoso dá generosamente aos pobres. As boas obras dele permanecerão para sempre.” Porque Deus, que dá a semente para o lavrador plantar e, mais tarde, boa produção para colher e gastar dará a vocês todas as sementes que vocês precisam. Ele as fará crescer, a fim de que vocês possam colher da sua colheita os frutos da sua justiça.” (2 Co 9: 9,10)

Paulo, em Efésios nos afirma que Deus nos abençoou “EM CRISTO”, não “EM DÍZIMO” – “Como louvamos a Deus, o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos do céu por pertencemos a Cristo!” (Ef 1:3), porque abençoados já somos. Você, Eu vivemos debaixo da GRAÇA e não debaixo da LEI! Somos livres em tudo, inclusive na forma de contribuir. Em toda a Bíblia não existe uma única citação que ampare essas afirmações. Somos livres de maldições sejam elas quais forem. “Entretanto, Cristo nos comprou e nos redimiu (Tirou) da maldição da Lei, quando se tornou maldito em nosso lugar. Porque está escrito nas Escrituras: “Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro.” (Gl 3:13)

O crente nascido na Graça tem como regra a Palavra de Deus, e as nossas experiências não podem ir contra a Palavra, fazer do dízimo uma regra em plena Graça é como estar com um grosso véu, deixando o povo vendado. “Não só o rosto de Moisés estava coberto com o véu, mas a mente e o entendimento do seu povo também estavam vendados e obscurecidos. Ainda agora, quando a antiga aliança é lida, os corações e as mentes dos judeus estão cobertos com um grosso véu, porque eles não podem ver nem entender o sentido verdadeiro da antiga aliança. Porque este véu, só pode ser removido por meio de Cristo. Até o dia de hoje quando eles leem os escritos de Moisés, um véu cobre os seus corações.” (2 Co 3: 14,15)

Em Atos 18:2,3, cita que o apóstolo Paulo fabricava tendas para se sustentar no ministério. Naquela época os pastores da Bíblia trabalhavam e não viviam à custa do evangelho. “Porque vocês sabem muito bem que devem seguir nosso exemplo: Vocês nunca nos viram ociosos quando estivemos com vocês; nunca aceitamos comida de ninguém sem pagar; trabalhamos duramente dia e noite pelo dinheiro que necessitávamos para nos mantermos, a fim de não sermos uma carga para nenhum de vocês.” (2 Tess 3:7-8)

Jesus disse: “(…) De graça recebestes, de graça dai.” (Mateus 10:8). O DIZIMO NÃO É UMA OBRIGAÇÃO PARA A IGREJA, POIS NÃO VIVEMOS SEGUNDO A LEI DE MOÍSES. MAIS SEGUNDO A LEI DO NOVO TESTAMENTO QUE É AMAR! Ou a “Lei ou Cristo”. A principal oferta que Deus quer de nós é a nossa própria vida doada á Ele, e a oferta do sacrifício de louvor e adoração.

DÍZIMO, a maldição da LEI na GRAÇA!

Deus quer amor e não obrigação!

Deus Abençoe á Todos!

TEXTOS QUE VOCÊ POSSA SE INTERESSAR TAMBÉM:

*** CLICK AQUI E ESCOLHA UM OUTRO TEMA PARA LER ***

Anúncios