ORAÇÃO: “Pai Nosso”, Como interpretar? (Frase-a-Frase)

(Oração do Pai-Nosso Explicada frase-a-frase Mateus 6:9 a 13 )

Na oração do Pai-Nosso encontramos verdades valiosíssimas que observadas seriamente é capaz de nos garantir uma comunhão melhor com Deus. Com certeza este estudo o ajudará a refletir mais uma vez as lições do mestre, nas quais sua vida será ainda mais enriquecida espiritualmente. Quando os discípulos de Jesus perceberam que Ele era, de fato, o enviado de Deus, pediram-lhe que lhes ensinasse a orar de maneira eficiente. Jesus Cristo então lhes ensinou a oração do Pai-Nosso.

A oração do Pai Nosso é um modelo de petição, não é para ficar sendo repetida (rezando) várias vezes de forma seguida. “Não fiquem recitando sempre a mesma oração, como fazem os pagãos, que pensam que as orações repetitivas é que são eficientes.” (Mateus 6:7). O modelo de oração do “Pai Nosso”, é como um formulário a ser preenchido com as nossas próprias palavras para nos relacionarmos com Deus. Ela nos ensina a como orar. Ela nos dá os “ingredientes” que devem fazer parte da oração. Ela é dividida em sete partes, e em cada parte podemos orar intensamente.

“Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; O pão nosso de cada dia nos dá hoje; E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; E não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém.” (Mt 6:9-13)

O Pai Nosso em algumas igrejas evangélicas é usado como uma oração introdutória (Introdução, início, começo). A oração do Pai Nosso para os evangélicos é ensinado como uma oração modelo, uma oração a ser tomada por base. Outro detalhe é que quando Jesus ensinou a oração, Ele instituiu um modelo, um exemplo e não uma regra! No entanto que no livro de Lucas, ela ocorre com outras palavras. Devemos adorar ao Pai em espírito e em verdade, “Porque Deus é Espírito, e é preciso que seus adoradores o adorem em Espírito e em verdade.” (João 4:24)

Veja agora a Esmiúça (Explicação detalhada):

1 – “PAI NOSSO, que estás nos céus, santificado seja o teu nome;…” – Na frase inicial “Pai Nosso que estás nos céus” – Deixa claro que toda oração deve ser dirigida exclusivamente á Deus (ao Pai), que está no céu. E “Santificado seja o teu nome” – Nos diz para adorarmos a Deus, e louvá-lo por quem Ele é. Segundo a Bíblia, a palavra “Santificado” significa: (Separado, Diferenciado, Exclusivo e de forma Inconfundível). Logo, toda oração deve ser encaminhada diretamente ao Deus Criador. Santificar é colaborar com Deus, é fazer notória a diferença entre o Santo e o profano (Profano é tudo que for contrário do que é sagrado, é tudo contrário ao que é Divino, entre o que é de Deus e o que não é!) – Santificar o nome do Pai é estabelecer, por meio da fé, no nosso próprio coração, o que Deus é para nós. Significa sustentar a fé no meio das contrariedades da vida, quando tudo pretende negar a Deus, quando os ímpios se levantam para desacreditar a Deus. A expressão “Teu nome” se refere a Deus na Sua totalidade, significa Deus em todos os Seus atributos (Características), é a preocupação genuína (Pura) em dar toda a glória a Deus Pai. O Senhor procura verdadeiros adoradores que O adorem em espírito e em verdade.

2 – “… venha o teu reino;….” – Aqui, Jesus Cristo usou a palavra reino porque, naquela época, a maioria dos povos só conhecia organizações do tipo “reinado” (um rei e seus súditos). Nos dias de hoje as “sociedades” são mais comuns (governantes e cidadãos). Portanto, a expressão “reino de Deus” quer dizer sociedade de Deus, critérios sociais estabelecidos e administrados por Deus. Logo, nesta parte da oração Jesus Cristo nos ensina que precisamos praticar as leis de Deus (Seus mandamentos) para sermos cidadãos do seu reinado. Deus governa todo o Universo, o governo de Deus implica em impactar o mundo através do Evangelho, quando vidas são libertas, famílias restauradas, enfermos são curados, pecadores arrependidos, assim o Reino de Deus está sendo implantado. Quando oramos: “venha o Teu reino”, estamos orando pelo sucesso do evangelho, em sua amplitude e poder e também indica que estamos esperando a vinda do dia de Deus.

“…seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;” – Nesta parte Jesus deixa claro que mesmo nos tornando cidadãos do reino de Deus, temos que nos adaptar aos critérios de Deus e nos conformar com o que Ele nos permitir. Só assim seremos, de fato, bem-aventurados (bem-sucedidos) em tudo o que fizermos. Veja: “seja feita a tua vontade” – Devemos orar para que seja feita a vontade de Deus, não por nossos desejos. Porque a vontade de Deus tem que ser feita na terra? Quando eu começo a desejar a vontade de Deus e não a minha, eu reconheço Sua autoridade, O adoro, estabeleço o Seu governo e não do homem, enfim, seja na Terra ou no céu, Sua vontade é perfeita, boa e agradável. Esse deve ser o desejo de todo crente sincero ansiando para que o mundo inteiro venha a conhecê-lo também. Jonas queria ir para uma cidade diferente da cidade que Deus escolheu, Paulo queria que tirasse o espinho da carne, Elias queria ficar dentro da caverna, entre tantos outros exemplos, mas eles sabiam que a vontade de Deus sempre é a melhor para a nossa vida. “assim na terra como no céu” – No céu a vontade de Deus é feita prontamente, imediatamente. E aqui na terra como é feita a vontade de Deus? Vemos o agir de Deus na vida de quem é fiel, na vida daqueles que tem confessado Jesus como Senhor e Seu único Salvador, um povo qualificado para fazer a Sua vontade aqui na terra. Muitas vezes não queremos fazer a vontade de Deus, principalmente quando não entendemos ou quando não gostamos. Quando oramos a Deus clamando para que Sua vontade seja estabelecida, com certeza nossa oração atravessa os céus e vai até o coração do Pai.

4 – “O pão nosso de cada dia nos dá hoje;…” – Neste texto mostra a nossa dependência de Deus em suprir o alimento diário, aqui somos encorajados a pedir a Deus pelas coisas que precisamos para sustentar também a nossa carne. Nesta parte Jesus ensina que não adianta pedir a mais com o intuito de estocar, Deus só concede o que necessitamos, cada um recebe sua porção exata! O amanhã é outro dia! O povo de Israel teve que aprender a dependência em Deus e confiar Nele para seu sustento no deserto por quarenta anos (o Maná – o pão de cada dia!) Êxodo 16: 20 e 21. Maná que sustentou diariamente por quarenta anos o povo de Israel no deserto, onde eles não podiam guardar porque estragava (exceto o sexto dia), mas Deus mandava a porção exata para cada um, porque Deus é perfeito!. Aqui, a palavra “Pão” também significa suprimento, alimento, vestimentas, etc. Jesus quando fala do pão Ele está falando de nossas necessidades físicas, emocionais e Ele está falando também da nossa fome da alma, da nossa dimensão espiritual, ou seja, Jesus está falando de uma fome mais profunda, mais essencial. A súplica pelo Pão é a suplica pelo trabalho, pelo afeto, pela benção de Deus para que possamos enfrentar a vida e seus desafios.

5 – “…E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;…” – Nesta parte da oração do Pai Nosso Jesus entra num ponto muito importante das relações humanas, ou seja, “ofensor e ofendido”. Nos lembra de confessar nossos pecados a Deus e nos desviemos deles. Nesta parte fica evidente que, se estamos em débito com Deus, precisamos pedir o perdão destas dívidas (destas ofensas) para que, estando sem débitos, Deus nos conceda aquilo que desejamos. Note, entretanto, que existe uma pré-condição para que Deus nos perdoe e consequentemente nos atenda. A pré-condição é sermos capazes de perdoar os que estão em débito conosco também (aos que tenham nos ofendido), de modo a alcançarmos o perdão de Deus e recebermos aquilo que desejamos. Quem perdoa conhece Jesus e lembra-se que Deus também já nos perdoou.

6 – “…E não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal;” – Aqui, Jesus comenta que o mal e as tentações existem de verdade. A melhor maneira de nos proteger é seguir os ensinamentos de Deus pedindo a Ele frequentemente que nos proteja e nos salve do “predador” da humanidade (diabo ou satanás). Conforme Tiago 1.12,13 Deus não pode ser tentado e a ninguém tenta, por isso é necessário pedir a Deus para não cair em tentação. É uma petição por socorro em alcançar a vitória sobre o pecado e um pedido por proteção contra os ataques do inimigo da nossa alma. Somos tentados o tempo todo e ninguém que seja humano está isento de tentação.

7 – “Porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém.” – E aqui termina reafirmando e reconhecendo a grandeza, o poder e a glória de Deus. É importante afirmar para o Senhor e também para cada um de nós que o Reino, o poder e a glória pertencem somente ao Pai. E após um longo tempo na presença do Senhor, submetendo-se aos cuidados Dele, solicitando a provisão diária (Pão), buscando o perdão pelos pecados, e pedindo a proteção para não cair nas ciladas do inimigo, finalmente, chega o momento de glorificar, exaltar, e reconhecer o governo que o Pai exerce sobre seus filhos. Pois teu é o reino!

A oração de Jesus mostra que orar é mais do que pedir algo — É estar em constante comunhão com Deus. A oração não faz Deus baixar até nós, mas eleva-nos a Ele!

Uma pergunta: Você ora ou reza? (Importante saber!)

Os católicos “REZAM”, os evangélicos “ORAM”

A diferença está no modo em que se comunicam com Deus!

REZAR: A palavra “Rezar” vem do (Latim) e significa “recito” e recito tem o significado de “Ato de ler em voz alta e clara, “repetir”, “dizer de cor”. Observa-se aqui que o termo “rezar” se aplica a textos pronto, de autoria de terceiros. Rezar é algo repetitivo, decorado, são palavras segundo fórmulas determinadas, decorada, feita a partir de um texto já pré-definido como modelo. Exemplo… Quando queremos expressar um fato é comum ouvir a seguinte frase: “Como “reza” a lenda…”, ou seja, quando se diz algo, história que se repete e da qual já sabemos o que vai acontecer. Não existe na Bíblia a palavra “rezar”, só existe a palavra“oração”.

A igreja católica incentiva à prática da reza, tendo como instrumento o uso do “Terço ou santo Rosário”. O que é “Terço ou santo Rosário”? A reza do terço tem origem no paganismo budismo, era chamado de “Mala”. Mala significa “Guirlanda” em sânscrito, (Sânscrito é uma língua clássica da Índia antiga, onde a escrita da língua sânscrita é chamada de “Devanágari”, que significa “escrita dos Deuses” ou ainda “cidade dos Deuses”), e deu origem ao rosário/terço. A mala é um objeto da história dos rituais religiosos indiano, onde seu adepto é o deus Shiva dos pagãos (Shiva é um deus hindu, chamado de “o Destruidor”‘ ou “o Transformador”, a mala foi prontamente absorvida pelo budismo e posteriormente pela “igreja” católica romana). A mala é formada por uma sucessão de contas (bolinhas) transpassadas por um fio e amarradas de forma circular; como o próprio nome em sânscrito sugere, no formato de uma guirlanda hindu. A mala é utilizada para calcular o número de mantras recitados. (Mantras são repetições). No caso do terço usado pela igreja católica, é utilizada para calcular o número de rezas feitas.

A história contada pelos católicos não cita sua origem no paganismo, eles contam que a imagem de uma mística “Rosa mística”, santa dos católicos das rosas ou do rosário, ensinou essa reza ao frade Domingos de Gusmão, por sinal, o fundador da Ordem dos Pregadores ou Dominicanos! Ela própria terá então apresentado o rosário/terço como uma “arma poderosa contra os inimigos da fé”. Esta crença surgiu em 1208, século XIII, e foi justamente nesta época que surgiu a história de que uma santa chamada “Nossa Senhora de Fátima”, a própria senhora das rosas ou do rosário, apareceu para três crianças e pediu que rezassem e fizessem todos rezar o terço, para que acabassem as guerras e todos os males no mundo. (É esta parte da aparição que é narrada pelos católicos). Algumas de suas rezas também são direcionadas a determinados santos católicos (Ex: Ave Maria cheia de graça….).

Deus nos esclarece através da Sua Palavra que Ele não quer orações repetitivas, “Não fiquem recitando sempre a mesma oração, como fazem os pagãos, que pensam que as orações repetitivas é que são eficientes.” (Mateus 6:7) – Por isso os evangélicos “Oram”.

ORAÇÃO: Oração vem do (Grego, Hebraico) e significa “Prática de súplica ao Eterno”. Já o verbo “orar”, tem suas raízes no termo latino “oro”, que significa “dizer, falar”, de onde também se deriva o termo “oral”, ou seja, “dito”, “falado”. Neste entendimento compreendemos que orar é na forma de uma fala, uma conversa. Orar é abrir o coração a Deus, como a um amigo! É um diálogo com Deus é a comunicação com Deus através de suas próprias palavras (nada decorado, mas palavras que vem do coração, as orações devem ser produzidas pela nossa mente).

O ato de orar é mais tocante, falamos coisas pessoais, coisas próprias, Orar é sentir, comunicar-se com Deus através do sentimento, um sentimento que é intraduzível. Não há palavra que o defina com absoluta precisão. O mais rico vocabulário do mundo é pobre para traduzir a grandeza de um sentimento. Não há fórmula que o contenha, não há molde que o guarde, não há um modelo específico. O sentimento é, por natureza, algo que não pode ser forçado, como o relâmpago prenunciando um temporal, o sentimento fere o campo de nossa consciência e num dado instante, penetra o âmago do infinito. Como interpretá-lo? Só Deus o conhece, porque só Deus sabe o que são essas vibrações de nossa alma, quando para Ele apelamos na linguagem misteriosa do sentimento.

Mesmo que Deus saiba dos nossos pensamentos e do que vamos falar antes mesmo de sair da boca, Ele quer que se tenha uma conversa com Ele (Como do filho para o pai ou de amigo para amigo). Por exemplo, quando você conversa com o seu pai ou com o seu melhor amigo você usa um discurso pronto? Mas e a oração do “Pai Nosso” que está na bíblia?

Temos “dois modelos de oração” na Bíblia, nos livros de (MT 6:9-13 e LC 11:2-4). Na igreja católica durante a oração do Pai Nosso, não se tem por hábito orar por ele por completo, deixando-se de citar o verso 13 do texto de Mateus (Porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém). Este trecho não é falado! – Já os evangélicos usam a oração completa assim como está na Bíblia no livro de Mateus.

O argumento das pessoas que tem por hábito rezar é dizer que a Bíblia incentiva à prática de repetir as orações, e que Jesus rezava? – Isto devido a uma passagem registrada em Mateus que diz: “Então Jesus os levou a um lugar chamado Getsêmani, e os mandou sentar e esperar, enquanto ia adiante para ORAR. Levou com ele Pedro e os dois filhos de Zebedeu, Tiago e João, e começou a sentir angústia e tristeza. Então disse-lhes: “Minha alma está cheia de tristeza, a ponto de morrer. Fiquem aqui e vigiem comigo.”

Ele avançou um pouco, inclinou-se com o rosto no chão, e orou: “Meu Pai! Se for possível, afaste este cálice de mim. Contudo, eu quero que seja feita a sua vontade, e não a minha”. Depois voltou aos três discípulos, e os encontrou dormindo. “Pedro”, perguntou ele, “vocês não puderam ficar acordados comigo nem mesmo uma hora? Vigiem (Fiquem Atentos) e orem. De outro modo a tentação vencerá vocês. Pois o espírito na verdade está disposto, mas o corpo é fraco!” Outra vez ele os deixou e foi orar: “Meu Pai! Se este cálice não puder ser tirado de mim, então cumpra-se a sua vontade.” Ele voltou aos discípulos novamente e os achou dormindo, porque os olhos deles estavam pesados de sono. Então ele voltou á oração pela terceira vez, dizendo novamente as mesmas coisas.” (Mateus, 26: 36 á 44). E vemos em (Marcos 14: 32: 39) mais uma passagem de oração semelhante a esta!

Vamos compreender estas passagens Bíblica: Ela se deu em Getsêmani e na qual o Senhor Jesus Cristo estava vivendo uma tremenda agonia, a angústia de Jesus não era pelo temor do sofrimento físico, nem pelo medo ou mesmo a morte física, mas pela associação de sua morte com o pecado, por saber que na cruz assumiria o nosso lugar, que carregaria em Seu corpo os nossos pecados para nos resgatar do pecado e da morte. Assim visto que Ele já sabia que o seu sofrimento terreno, ou seja, “humano” estava para começar, foi muito comum que Jesus Cristo ficasse repetindo as suas próprias palavras. Quando você deseja algo que considera importante, você fica clamando a Deus? Quando você tem um parente enfermo, você ora repetindo várias vezes para Deus curá-lo? Você cita em suas orações o seu querer até conseguir? Você bate na porta da misericórdia? Jesus não fez diferente, Ele estava em comunhão com Deus, e repetiu tais palavras porque tinha uma necessidade de urgência, ali era uma situação diferente! Aquelas palavras tinham um objetivo! – Ali Ele não fez destas palavras um modelo de oração. Jesus estava batendo na porta da misericórdia!

A verdadeira oração não é um ato bem pensado nem palavras eloquentes ou poéticas que inspiram seus ouvintes. A verdadeira oração não é medida por aplausos dos homens nem a sua eficácia é determinada pela beleza das palavras.
Deus não ouve palavras vazias que impressionam apenas a homens – Deus não atende palavras. Mas Ele responde a corações quebrantados e contritos (Arrependido)!!!

Na verdade Oração é o grito sincero do coração, os gemidos profundos do espírito e palavras proféticas e de fé.
A eficácia da oração é determinada apenas pela profundidade do impacto que provoca no coração do Pai, e não nos ouvidos dos homens.

Não é o tamanho ou a eloquência (Discurso) das orações que tocam no coração do Pai e traz o mover da mão de Deus!! Orar é conversar com Deus.
“Prestem atenção a este fato: O Senhor separa o homem obediente para viver ao seu lado. É por isso que ele me ouve quando oro e peço ajuda.” (Salmos 4:3)

Na oração, devemos derramar nossos corações a Deus “Não se aflijam com nada (Não andem ansiosos por coisa alguma), em vez disso, orem a respeito de tudo; contem a Deus as necessidades de vocês, e não se esqueçam de agradecer-lhe. Se fizerem isto, vocês experimentarão que a paz de Deus, que excede todo o entendimento, conservará a mente e o coração de vocês em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:6-7).

Nunca desista de orar, e se não tiver palavras, não se preocupe, Deus interpreta suas lágrimas. Apenas se coloque diante do Pai em nome de Jesus de forma sincera e Ele irá te ouvir!!“(…) Lembre-se: seu Pai sabe exatamente o que vocês precisam, até mesmo antes que vocês peçam a Ele!” (Mateus 6: 8). 

Deus abençoe á Todos!

TEXTOS QUE VOCÊ POSSA SE INTERESSAR TAMBÉM:

*** CLICK AQUI E ESCOLHA UM OUTRO TEMA NA PÁGINA INICIAL***

 OBS: Temos respeito por quem não segue a mesma doutrina que os evangélicos, esta matéria se trata de uma exortação (ensinamento), é totalmente baseada na Bíblia e na história da cultura do mundo e tem como finalidade explicar para muitos que tem dúvidas sobre as diferenças de comemoração por ambas as crenças!

VOCÊ DESEJA LER E ENTENDER A BÍBLIA, PORÉM TEM DIFICULDADES PARA COMPREENDER OS TEXTOS? AGORA VOCÊ JÁ PODE INICIAR SUA LEITURA BÍBLICA DE FORMA FÁCIL E SIMPLES 😉 É DE GRAÇA 😄 PARA INICIAR BASTA CLICAR NO LINK ABAIXO👇

Imagem

[Idolatria] Traição e Infidelidade a Deus! Saiba Porque.

Uma pergunta: Para QUEM você esta curvando os joelhos com tanta fé?

Ídolos na Bíblia: Não são somente imagens de deuses, mas todas as coisas que venham ocupar o lugar de Deus. Figuras ou pinturas, pessoas, fitas, pulseiras, correntes, anéis, símbolos, amuletos, fotos, figas, patuás, imagens de ouro, prata, pau, pedra, gesso, barro de qualquer objeto, coisas semelhantes a estas que tenham algum vínculo de fé e confiança espiritual, confeccionados por mãos humanas, ao qual devotamos alguma crença, confiança, objetos que tomem o lugar de Deus. Em palavras diretas, TUDO AQUILO QUE VOCÊ SE CURVA E REVERÊNCIA SE TORNA O SEU DEUS! (REVERÊNCIA: É veneração pelo que se considera sagrado, venerar, render culto, cultuar, adorar)

“Mas os deuses de outros povos não passam de estátuas de ouro e de prata, feitas por mãos humanas. Têm boca, mas não falam: olhos, mas não veem. Têm ouvidos, mas não ouvem: nariz, mas não sentem cheiro. Têm mãos, mas não seguram; pés, mas não andam; e são totalmente mudos! Aqueles que fazem essas imagens e as adoram tornam-se como elas.” (Salmos 115:4-8)

A idolatria é um dos maiores pecados porque Jesus afirmou que o maior de todos os mandamentos é amar a Deus de todo o coração, alma e mente (Mt 22.37). Nenhuma imagem construída pelas mãos humanas jamais pode representar com precisão a totalidade, a transcendência e a majestade de Deus. Não podemos nunca modelar, pintar ou esculpir nada que seja uma representação adequada do que Deus é. E qualquer coisa que você der mais valor que a Deus, isso é o seu deus!

“Deus disse tudo o que segue: Eu sou o Senhor, seu Deus. Eu tirei você do Egito, onde você foi um povo escravo. Não creia nem adore outros deuses, além de mim. Não faça ídolos. Não ofereça cultos a imagens de qualquer coisa em cima no céu, na terra ou nas águas debaixo da terra. Não adore nem se prostre diante de nenhuma imagem, pois eu sou o Senhor, seu Deus…” (Êxodo. 20:1-5)

Qualquer imagem ou objeto que nos apegamos como representação divina é incapaz de retratar a plenitude da identidade de Deus. Isso certamente nos levará ao caminho tortuoso da desobediência, da rebeldia perante Deus. “Pois a “REBELDIA” é como o pecado da feitiçaria; a arrogância, como o mal da idolatria. Assim como você rejeitou a palavra do Senhor, ele o rejeitou como rei.” (1 Samuel 15:23)
A idolatria é vista na Bíblia como adultério/prostituição espiritual – (Jz 2:17; 1Cr 5:25…)
“E a escolher mulheres para os seus filhos dentre as moças daqueles povos. Quando elas se “PROSTITUÍREM” com seus deuses, poderão passar a “INFIDELIDADE” deles para seus filhos.” (Êx 34:16) – Deus considera este comportamento como uma traição, infidelidade.

“Então, perdidos no meio de outros povos, escravos de outras nações, eles se lembrarão de mim; lembrarão como fiquei muito triste porque seus corações “ADÚLTEROS” se desviaram de mim, porque eles foram “INFIÉIS” a mim e correrão atrás e outros deuses. Mas depois do castigo eles terão vergonha e nojo de si mesmos, por causa de todos os pecados horríveis que praticaram. Eles compreenderam que eu sou o Senhor, seu único Deus….” (Ezequiel 6: 9,10)

Deus proibiu fabricar as imagens, proibiu crer nelas e proibiu adorá-las, Deus manda quebrar e destruir tudo que for imagem, dizendo que são maldição, toda idolatria para Deus é uma abominação (1 Pe 4:3). Desde Gênesis a Apocalipse a Bíblia condena TODAS as imagens e a idolatria.

“Vocês queimarão as imagens de escultura desses povos, e não cobicem a prata e o ouro que as revestem. Para o Senhor, o seu Deus, isso é detestável. Não levem coisa alguma que seja detestável para dentro de casa, para que vocês não sejam amaldiçoados por causa dessas imagens. Considerem tudo isso detestável e rejeitem-nas completamente, pois elas são amaldiçoadas.” (Deuteronômio. 7:25,26)

“Maldito aquele que fizer imagem de escultura, seja de madeira ou de metal fundido, obra de artesão, mesmo que a levante secretamente. O Senhor não tolera essas coisas…” (Deuteronômio. 27:15.) Nada fica em oculto, nada é secreto aos olhos de Deus, você pode esconder dos olhos do homem, mas não dos olhos de Deus, que é “Onipresente” (Aquele que está presente em toda parte!)

Quando se pratica a idolatria o ser humano não consegue enxergar o quanto está cego de entendimento! Assim, o ser humano procura fazer uma loucura ainda maior, tentar moldar Deus a sua própria imagem. Deus não quer que transformemos Seu culto em ritos supersticiosos. O culto a Deus deve ser espiritual (“em espírito e em verdade”)

A Bíblia que é a própria boca de Deus, relata como loucura, fazer de um objeto qualquer, ser o seu Deus! Veja:

“Dizendo-se sábios, tornaram-se “LOUCOS” e trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis.” (Romanos 1:22,23) 

Veja este exemplo das Sagradas Escrituras: “O escultor derruba cedros (Árvores), talvez escolha um cipreste, ou ainda um carvalho. Ele planta um pinheiro no bosque, e a chuva faz a árvore crescer. Depois de todo esse trabalho, ele usa as árvores para lenha; parte da madeira serve para aquecer sua casa e assar o seu pão, e com o resto, ele faz um deus para si mesmo e se ajoelha diante dele! Com a parte da árvore que derrubou, esquenta sua casa, prepara sua refeição, assa um pedaço de carne, come á vontade e diz: “Ah! Um belo fogo para não sentir frio: que fogo bom! Com o que sobrou da madeira ele faz um deus, seu ídolo! Ajoelha-se diante dele e o adora. Ora a ele, dizendo: Proteja-me! Você é o meu deus. Que estupidez, que “LOUCURA”!

Seus olhos foram fechados de tal forma que não podem mais ver, e as suas mentes não são capazes de compreender. Ninguém para para pensar, ninguém tem o conhecimento ou o entendimento para dizer a si mesmo: Ora, isso não passa de um pedaço de pau! Eu usei uma parte para esquentar minha casa, um pouco para cozinhar meu pão e assar carne. Como é que iria fazer disso um ídolo, para ofender Deus? Como é que eu iria me ajoelhar diante de um pedaço de madeira? Mas o homem que faz isso é como quem se alimenta de cinza! Ele está confiando em coisas sem valor que não podem salvar sua alma. E o seu coração está tão iludido que ele nem é capaz de pensar: “Será que este ídolo, que eu mesmo fiz com as minhas próprias mãos, não é uma mentira?” (Isaías 44:14,20)

“Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.” (João 4:24)

Não existe vida, espírito dentro de estátuas! “Que aproveitará a imagem de escultura, que a esculpiu o seu artífice? A imagem de fundição, que ensina a mentira, para que o artífice confie na sua obra, fazendo ídolos mudos? Ai daquele que diz ao pau: Acorda! E à pedra muda: Desperta! Pode isso ensinar? Eis que está coberta de ouro e de prata, mas dentro dela não há espírito algum.” (Habacuque 2:18,19)

O que muitos usam como argumento é que quando estão a adorar imagens, na verdade estão intercedendo. Mas não é isto que a Bíblia ensina! Em nenhum lugar nas Sagradas Escrituras se diz que deve-se interceder a Deus através de imagens. Muito pelo contrário a Bíblia nos esclarece que nosso único intercessor é SOMENTE JESUS! “Há um só Deus e só um só mediador (Ou seja, aquele que faz a ponte entre Deus e os homens), entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus.” (1 Tim 2,5-6). Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém pode chegar ao Pai, a não ser por mim.” (João 14:6)

Outro argumento muito utilizado por quem cultua imagens é que eles não estão “Adorando” e sim “Venerando”

ADORAR é cultuar algo que você considera sagrado (divindade) e VENERAR é respeitar!

Bom, se analisar bem a Palavra VENERAR é sinônimo de ADORAR, ou seja, é a mesma coisa. Mas, mesmo que passamos a analisar com o sentido de “RESPEITO”, não inválida em nada quando você se prostra, pois tudo o que você se curva e adora, conversa, beija, chora e faz petições se torna o seu “deus”.

O problema não é a veneração (Respeito), o problema e se curvar diante de estátuas e conversar com elas, isso se torna adoração (tornar o objeto uma divindade com poderes). Até porque em NENHUM lugar na Bíblia Deus ordenou que se respeitasse ou venerasse imagens.

Os evangélicos veneram (Respeitam), todos os personagens bíblicos (TODOS), mas nenhum faz imagens para se ajoelhar e rezar para elas. É justamente neste ponto que entra a idolatria!

Os judeus fiéis dos tempos bíblicos adoravam imagens?

“Não deves fazer para ti imagem esculpida, nem semelhança de algo que há nos céus em cima, ou do que há na terra embaixo, ou do que há nas águas abaixo da terra. Não te deves curvar diante delas, nem ser induzido a servi-las.” — Êxodo 20:4, 5.

Ou seja, nem Jesus que era Judeu se curvou diante de imagens para adora-las!

E como a Bíblia é a própria boca de Deus e a Palavra Dele não cai por terra e nem se perde ao vento, em Apocalipse diz: “Mas, quanto aos tímidos e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicários, e aos feiticeiros, e aos idolatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.” (Apocalipse 21:8) – “Segunda morte” é “A condenação eterna dos que não foram salvos”.

MAS E OS QUERUBINS EM CIMA DA ARCA DA ALIANÇA?

(Eis aí um argumento muito usado também voltado para adoradores de imagens), onde citam Josué 7:6

“Então Josué e os líderes de Israel rasgaram as suas roupas, lançaram-se ao chão, com o rosto em terra, e jogaram poeira sobre as cabeças, diante da arca do Senhor, até o início da noite”. (Josué 7:6)

Alegam que Josué se prostrou e adorou as imagens…

Primeiro ponto a se observar é que em nenhum momento diz que Josué fez adoração ou petições as imagens dos querubins.

Porque Querubins, e não outros tipos de anjos? Por que os querubins são guardiões da Glória de Deus e também são anjos que ficam no trono do Senhor.

Primeiro: Deus mandou colocar os anjos na arca mas nunca mandou adorar os anjos. E Josué não se prostou perante imagem nenhuma, mas se prostrou de rosto no chão em sinal de humilhação perante Deus por causa do pecado de Acã. A arca da aliança representa a justiça de Deus e não um objeto para ser adorado.

Os querubins feitos por ordem de Deus, não foram objetos de adoração. Representavam criaturas que servem a Deus, sempre próximos ao trono do Senhor. O propiciatório, que ficava em cima da arca da aliança, representava o trono de Deus. Os querubins serviam para lembrar o sumo sacerdote, quando entrava no Santo dos Santos, que esta sala do tabernáculo representava a presença de Deus. Mas jamais adoraria os próprios querubins.

Os querubins guardam a Glória de Deus!

Deus Ele permite a arte, mas não a arte com a finalidade de adoração/veneração. É preciso fazer distinções entre a arte para fins decorativos e a arte com o intuito de prestar reverências!

DEUS AUTORIZOU ADORAR A SERPENTE DE BRONZE? (Número 21:8,9)

“E o Senhor respondeu a Moisés: “Faça uma serpente de bronze e a coloque no alto de um poste. Quando alguém for mordido por uma serpente e olhar para a serpente no alto do poste, escapará com vida”. Moisés fez uma serpente de bronze e a colocou no alto de um poste. Todas as pessoas que eram mordidas por uma serpente e olhavam para a serpente de bronze, permaneciam vivas”. (Números 21:8,9)

Um questionamento ou argumento muito comum é justamente sobre a serpente esculpida e colocada em um poste, para que as pessoas olhassem assim que fossem picadas e só assim seriam curadas ou morreriam. Muitos alegam que o fato de Deus ter mandado fazer a serpente significa que Ele olha com bons olhos quem adora imagens e que a mesma tem poder de cura! E assim está dando permissão para adorarmos ou venerarmos imagens de escultura!

A serpente no deserto no qual o próprio Deus mandou que fizessem, era apenas um RECURSO segundo Sua perfeita vontade. A serpente no deserto também serviu como prenúncio (Anúncio) da missão de Cristo e de Cristo crucificado.

A proibição de Deus é para toda imagem feita com o propósito de ser prestado culto de adoração para ela. Quando o povo estava confundindo tudo e idolatrando, adorando a imagem da cobra, o rei Ezequias fez o que era bom aos olhos do Senhor, ele destruiu a imagem da serpente!

“Ele fez o que era bom aos olhos do Senhor, conforme o que tinha feito o seu antepassado Davi. Ele retirou retirou os altares idólatras do alto das colinas, quebrou em pedaços as colunas, derrubou os vergonhosos postes-ídolos (Ou imagem de Aserá) e despedaçou a serpente de bronze que Moisés tinha feito, porque o povo de Israel vinha adorando essa serpente e queimava incenso a ela. Neustã foi o nome que deram a essa serpente” (II Reis 18:3,4)

Sejamos entendidos amigos, é óbvio que Deus orientou a criação de algumas imagens, porém, devemos considerar a que propósito foram feitas.

AFINAL A BÍBLIA É UM LIVRO E TODO LIVRO TEM COMEÇO, MEIO E FIM, PORTANTO É PRECISO LER OS TEXTOS PARA ENTENDER O CONTEXTO. A BÍBLIA NÃO É FEITA DE VERSÍCULOS ISOLADOS!

Quando disse “Não adore outros deuses, além de mim. “Não faça ídolos. Não preste culto a imagens de qualquer coisa em cima no céu, na terra, ou nas águas debaixo da terra. Não adore nem se prostre diante de NENHUMA imagem, pois eu sou o Senhor, o seu Deus…” (Dt 5:6,9)

É muito claro no texto do porquê e para quê não deveriam ser feitas imagens:
– Para ninguém se prostar diante delas.
– Para ninguém prestar culto a elas.

A SERPENTE SIMBOLIZAVA CRISTO QUE SERIA ERGUIDO NA CRUZ

E como sabemos que a serpente representava Cristo? Em João 3:14,15

“E como Moisés no deserto levantou numa estaca uma serpente de bronze, assim também é necessário que o filho do homem seja levantado, para que todo aquele que nele crer tenha a vida eterna”. (Jo 3:14,15)

(veja a importância da leitura dos textos para entender o contexto). Algo que aconteceu nos primeiros livros do Velho Testamento sendo explicado no Novo Testamento!

Agora como uma serpente que é o símbolo de Satanás pode representar Cristo? Lembre-se de Romanos 8:3 que diz que Cristo veio em semelhança de carne pecaminosa!

“Não estamos a salvo das garras do pecado só pelo fato de conhecermos os mandamentos de Deus, pois não podemos guardá-los, mas Deus pôs em ação um plano diferente a fim de nos salvar. Ele enviou seu próprio Filho, em corpo humano como o nosso, a fim de destruir o controle do pecado sobre nós, dando-se a si mesmo como sacrifício por nossos pecados” (Romanos 8:3)

Então, aquele objeto representou apenas Cristo em seu aspecto físico, não com a natureza física perfeita de Adão homem!

Em Apocalipse 5:5 Cristo é simbolizado como um leão e em 1Pedro 5:8 o diabo também é representado como um leão.

“Porém um dos anciãos me disse: “Pare de chorar! O Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu e mostrou que é digno de abrir o livro e quebrar os sete selos” (Apocalipse 5:5)

“Estejam alertas e vigilantes porque o inimigo de vocês, o diabo, ronda em volta, como um leão faminto, que ruge à procura de alguma vítima para devorar” (1Pedro 5:8)

Então um mesmo símbolo pode ser aplicado a seres antagônicos (Antagônico significa: Contrário, adverso, ou seja, tudo que se apresenta de forma contrária, que faz oposição entre duas noções, dois conceitos, duas ideias. Antagônicos são conceitos ou opiniões contrárias sobre um mesmo tema, um mesmo argumento, mas com significados diferentes). E a serpente erguida no deserto simboliza o Cristo com o seu corpo afetado pelo pecado, mas não o “SER” infectado ao ser erguido no Cristo para todo aquele que o contemplasse seria salvo!

Este é o símbolismo, Deus não é contra a arte, Ele é contra a adoração “endeusamento” daquele arte.

No entanto que em Êxodo 30, 35 e 36 Deus dá Dons aos homens para que desenhe, para que elaborem artes, pois Deus é artista, Ele cria até hoje, o mundo é projeto de Deus, a natureza é projeto de Deus, os animais são projeto de Deus eu e você somos projetos da criação de Deus!

Devemos ser atraídos UNICAMENTE para Cristo e não para imagens…
“E, quando eu for levantado (Isto é, na cruz) atrairei todo o mundo a mim”. (João 12:33)

Se em toda a Bíblia pessoas se prejudicaram e até morreram por conta do pecado da idolatria porque Deus ia confundir a cabeça das pessoas – ora dizendo que abomina imagens e ora dizendo para adorá-las?…não tem lógica nisso!

Deus não é Deus de confusão, a Palavra Dele não faz curva.

Mas cabe aquele que crê e tem temor (obediência) á Deus, se arrepender de seus pecados e pedir perdão á Deus pelas faltas cometidas contra Ele! A misericórdia de Deus nesta terra sempre alcançará um coração arrependido.

“Por isso, meus amados irmãos, fujam da idolatria.” (1 Coríntios 10:14)

Deus abençoe à Todos!

TEXTOS QUE VOCÊ POSSA SE INTERESSAR TAMBÉM:

*** PARA LER OUTRO TEMA CLIQUE AQUI ***

VOCÊ DESEJA LER E ENTENDER A BÍBLIA, PORÉM TEM DIFICULDADES PARA COMPREENDER OS TEXTOS? AGORA VOCÊ JÁ PODE INICIAR SUA LEITURA BÍBLICA DE LINGUAGEM FÁCIL E DE SIMPLES COMPREENSÃO 😉 É DE GRAÇA 😄 PARA INICIAR BASTA CLICAR NO LINK ABAIXO👇